18/08/2012

ENTREVISTA DE ROBERT COM AP


NOVA YORK – Robert Pattinson estava perto de terminar as filmagens do último filme de Crepúsculo, concluindo um capítulo da sua vida que o tirou da quase escuridão e estava a preparar-se para o cuspir  fora… para onde exatamente? Crepúsculo  tornou-o extravagantemente famoso, mas os seus próximos passos eram inteiramente incertos.
“Foi de repente, diz, que veio o roteiro de Cosmópolis de David Cronenberg, o reverenciado diretor canadiano  de thrillers psicológicos (“Videodrome,” “Eastern Promises”) que frequentemente persegue o espírito através do corpo. Pattinson, nunca tinha conhecido ou falado com Cronenberg, fez um pouco de pesquisa: ele pesquisou no Rotten Tomatoes “e ele tina algo como 98% de aprovação,” diz ele.
“Foi como: Ok, este é o meu próximo trabalho,” diz Pattinson.
Aos 26, Pattinson pode ser um dos rostos mais famosos do planeta, mas ele continua a certificar-se das suas habilidade como um ator – uma profissão,  diz, que ele nunca ansiou, caiu dentro por uma chance e sempre achou desconfortável. A sua trajetória única começou com Harry Potter e o Cálice de Fogo e Little Ashes, no qual ele interpreta Salvador Dali.
“Então eu consegui Crepúsculo e isso subitamente  tornou-se um mundo massivamente diferente para navegar,Pattinson disse numa entrevista recente em Nova York. “A maioria das pessoas que temo  seu grande sucesso já descobriram quais são as suas habilidades, e eu não tinha, realmente.”
Cosmópolis é um tipo de filme radicalmente diferente que irá confundir não apenas as hordas de fãs de Crepúsculo que farão filas na sexta-feira para vê-lo, mas cinéfilos da arte, também. Pattinson viu-o quatro vezes para tentar entender.
A primeira adaptação cinematográfica de um romance de Don DeLillo, Cosmópolis, é sobre um financiador elegante, Eric Parker (Pattinson), lentamente a fazer o seu caminho no santuário sem ar de sua limousine através do tráfego de Manhattan com o simples objetivo de um corte de cabelo. Mas a jornada,  que inclui visitas com sua nova esposa (Sarah Gordon), uma prostituta (Juliette Binoche) e um ocupante protestando (Mathieu Arnalric), é uma espécide de desvendar involuntário para Parker, o qual desapaixonadamente assiste a sua fortuna deslizar numa má aposta no yuan chinês.
“Ele é um egomaníaco que quer ver algum tipo de espiritualidade na sua egomania,” diz Pattinson. “É  quase parecido como os atores se sentem com eles mesmos.”
Pattinson está em cada cena do filme, o que se assenta em sua inexperiente, hiper-letrada performance para carregar o filme através de sua configuração limitada e diálogos intensificados de DeLillo – a maioria o qual Cronenberg transcreveu integralmente do romance. Embora algumas resenhas tenham achado o filme estático e impenetrável (reações talvez previstas), a maioria dos críticos elogiou a interpretação de Pattinson, com muitos citando isso como uma prova de um galã pode realmente atuar.
A natureza e linguagem atípica estilizada do filme o fez uma arriscada e intimidante escolha para Pattinson.
“Eu não podia ouvir a voz da personagem. Não havia nada,” ele diz. Foi assustador dizer sim para a que  não sabia o que era. Eu sabia que era interessante, eu sabia que tinha alguma coisa especial, mas não tinha ideia do que fazer com isso ou o que  poderia adicionar. Mas quando se começa a dizer não a Cronenberg porque  não se acha que é bom suficiente, é uma decisão estúpida a  fazer.”
Está claro que sua celebridade alimentada por Crepúsculo pesa sobre Pattinson, que diz saber que as pessoas vem os seus filmes “através de um contexto cultural.”
“Rob, é popular,” diz Cronenberg com um eufemismo inexpressivo.
“Eu não poderia ter escolhido Rob sem Crepúsculo, assim como não poderia ter escalado Viggo (Mortensen) sem O senhor dos Anéis, diz o diretor que teve três filmes anteriores – “A History of Violence”, “Eastern Promises” e “A Dangerou Method” – estrelados por Mortensen. “O fato de que alguém que tenha influência estar disposto a fazer um filme que é difícil é um presente para o diretor, porque  não se está apenas com o tipo certo como  ator, mas está a apanhar-se o interesse financeiro e poderá fazer o filme. Este não é um filme fácil de ser feito.”
Pattinson pareceu energizado pela liberdade de escolha em frente  seguindo a parte final de Crepúsculo, que será lançado em Novembro. Ele está escalado para papeis em filmes corajosos longe do tamanho blockbuster: Mission: Black List, um thriller militar, e The Rover, pelo diretor australiano David Michod (“Animal Kingdom”), um papel que ele disse ter lutado mais do que qualquer outro antes.
Embarcar em Cosmópolis parece ter sido um processo de deixar para trás para Pattinson – do auto-conhecimento, de preocupações, de medo. Perguntado-se se ele agora sente que ele certamente é um ator, ele rapidamente responde,“Não.”
“Assim que se começa a existir em um certo mundo, sente-se como se tivesse uma tremenda quantidade de bagagem sempre,” diz. “Fica-se presto nessa rotina onde  se quer que as pessoas pensem que se é alguma outra coisa, mas está tão assustado para fazer o que for realmente para ser outra pessoa.
“Então você recebe um presente como esse filme, o qual é muito mais fácil do que eu pensei que fosse,” ele diz. “Você apenas o faz. Realmente não importa se você falhar.”
Via | Via via: robstenforever

ROBERT E CRONENBERG FALAM SOBRE COSMÓPOLIS PARA MIAMI HERALD


David Cronenberg lembra-se do tempo de Oliver Stone perguntou: “David, não se incomoda de ser um cineasta marginal?”
Para Cronenberg, um dos diretores mais admirados e famosa do Canadá, respondeu: “Bem, Oliver, depende. Qual o tamanho preciso de um público ? “
É aí que reside o segredo do sucesso de Cronenberg. Cosmopolis, o seu novo filme estreou na sexta-feira, é uma adaptação do romance de Don DeLillo sobre um bilionário jovem chamado Eric Packer, que passa um dia em sua limusine andando por Nova York para um corte de cabelo.
Não há praticamente nenhum enredo tradicional em Cosmópolis. Mais na metade do filme tem lugar dentro da limusine, onde Eric tem reuniões com sua equipa, recebe um check-up do do seu médico (“A Sua próstata é assimétrica”) e ainda tem sexo. Embora Eric, seja interpretado por Robert Pattinson, a estrela imensamente popular da série Crepúsculo, Cosmopolis é uma tarefa difícil para uma multidão multiplex – um filme, rigoroso desafiador e estranhamente hipnótico preenchido com um denso diálogo pesado.
Aos 69 anos, Cronenberg continua a fazer seus filmes emocionantes da maneira mais difícil.
“Quando se é um cineasta, passar um ano e meio da sua vida – talvez mais – a colocar essas coisas juntas: Tem que se obter o seu financiamento, tem ir atrás de atores que vão rejeitá-lo”, diz ele. “É um processo difícil. Assim, o filme tem realmente ser excitante e  intrigante para eu sentir como se eu estivesse a descobrir algo de novo”, diz ele.
“Naturalmente, tem que adequar o orçamento para fazer o assunto. Ninguém vai gastar US $ 200 milhões em Cosmópolis. Mas se for realista sobre expectativas e do tamanho de sua audiência, e o que se está disposto a trabalhar sem muito dinheiro,  pode ter-se coisas muito interessantes. “
O preço de Cosmopolis foi de $ 20 milhões ainda parece alto para tal filme, mas Cronenberg compensa o risco para os financiadores pela presença de Pattinson, que aparece em todas as cenas. (Colin Farrell foi originalmente definido para interpretar Eric, mas teve que desistir devido a conflitos de agenda.)
“Eu recebi o roteiro do nada e foi-me oferecido o papel, que foi um pouco chocante”, diz Pattinson. “Geralmente, os filmes que me oferecem são terríveis. Este script senti-o tão original, que foi quase brilhante.”
“Eu sabia que havia um filme a ser feito aqui. Eu só estava preocupado que não fosse conseguir. Pensava ‘Há toneladas de pessoas melhores do que eu para este trabalho! “Levei um tempo para ficar a paz com isso.”
Cosmopolis ofereceu a Pattinson a oportunidade de experimentar um tipo de atuação minimalista que não tinha feito antes. Eric Packer é um homem, individual distante que raramente expressa o que ele  sente. Na página, DeLillo põe-nos a par dos seus pensamentos e monólogo interior, na tela, Pattinson usa pequenos gestos, o menor traço de um sorriso ou uma carranca e o endurecimento de um olhar para transmitir o seu estado interior.
“No início do filme, eu  uso esse fato escuro e branco”, diz ele. “Eu estou vestido completamente de escuro óculos de sol e eu estou parado, sem me mover. Cada ferramenta que os atores usam para o seu desempenho foi tirada de mim “, diz ele.
“Mas eu  sentia-me  seguro, porque eu sabia que David estava a observar- realmente a olhar – e que dá confiança. Maior parte do tempo em sets de filmagem, eu questiono se o diretor está mesmo  prestar atenção ao que eu estou a fazer. “
Pattinson tem uma  legião de fãs de Crepúsculo vai ser confuso por este filme friamente fascinante, mas Cronenberg construiu suficiente garantia para a audiência que lhe é estranha.
Nem todos gostar, é claro. Não há um fã de Cronenberg no planeta que podesse honestamente dizer que ama todos os filmes do diretor. E isso é um calculo para os riscos que ele corre desde o início da sua carreira de 37 anos.
(…)
Para Cronenberg, também, a inspiração para se adaptar Cosmopolis não surgiu de grandes temas, mas de detalhes subtis.
“Eu estava simplesmente tomado pelo diálogo. É um pouco como David Mamet ou Harold Pinter, porque é realista a um nível – parece que a forma como as pessoas falam – mas é também muito estilizado. Quando eu transcrevo para a forma de roteiro, que deu ao filme uma coesão incrível e ressonância. Foi quando eu perguntei a mim mesmo: ‘É  um filme?’ E eu pensei, ‘Sim. É um filme muito interessante.”
Quase todo o diálogo vem do livro, o que significava que os atores tiveram que soar naturalmente ao dizer frases como “Nós  somos todos jovens e inteligente e fomos criados por lobos. Mas o fenómeno da reputação é uma coisa delicada. Uma pessoa sobe  uma palavra e desce uma sílaba. “
Para Pattinson, as cadências incomuns e escolhas de palavras foram libertadoras.
“Eu me senti uma conexão física com a escrita – Eu pensei que era tão bom – e eu queria lê-lo em voz alta, logo que recebi o roteiro, só para ver como soava. É assim perfeitamente escrito. Eu amei o facto de que eu não tinha necessidade de colocar a minha marca pessoal  como ator. Eu só tinha de realizá-la no verdadeiro caminho possível. “

ROBERT É O MAIS BEM VESTIDO DA SEMANA PELA VOGUE BRITANICA


15 de Agosto de 2012 – Robert Pattinson chegou aos estúdios de televisão em Nova York vestindo uma camisa azul aberta,  casaco preto e calças cinzentas.

KRISTEN E JODIE FOSTER NOS SCANS DA THR


NOVA FOTO DE KRISTEN NOS SCANS DA REVISTA FILM INK DE SETEMBRO


imagebam.com imagebam.com
Scans  @Mel452 via: teamkristensite

INDIEWIRE – DAVID CRONEMBERG DIZ QUE ROB O SURPREENDEU TODOS OS DIAS


IndieWire: Porque escolheu o astro de Crepúsculo Robert Pattinson para interpretar o seu frio e distante Mestre do Universo de 28 anos?
David Cronenberg: É claro,  começa com o básico. Ele tem a idade certa para o personagem? tem uma presença de cena convincente? Obviamente  É preciso alguém com carisma o suficiente para segurar o público durante todo o filme. Ele está em todas as cenas, sem exceção, e isso não é normal. Você quer alguém que se prove, a quem as pessoas queiram assistir, que nunca irá cansar ninguém. Eu sabia que ficaria rastreando o rosto dele durante o filme inteiro, então eu queria alguém cujo rosto estivesse em constante mudança, por todos os ângulos. E ele teria que estar apto a lidar com diálogos complicados. A arte de escalar um ator é intuitiva, é a de ver dentro daquilo que ele fez se ele poderá fazer isso.
Existiu alguma performance dele em especial que te deu confiança?
Eu o vi em ‘Poucas Cinzas’ (Little Ashes) como o jovem Salvador Dali. Ele fazia um sotaque espanhol, não estava com medo de interpretar um personagem com uma sexualidade tão ambigua e sua excentricidade. Essa foi, provavelmente, a minha certeza que eu tive de que ele era o cara certo.

Você escalou o Pattinson com uma certa simpatia em mente, para que dessa forma o público fosse gostar dele apesar do personagem que ele interpreta? Você sentiu alguma vulnerabilidade?
Eu realmente não me importo. Eu queria que o personagem principal no filme fosse interessante, fascinante e complexo, mas fazer com que as pessoas gostassem dele era a última preocupação na minha lista. Não estava na lista, porque é algo muito simplista para o personagem principal ser alguém que você ‘goste’. Ele tem que ser ‘assístivel’, essa é a chave, e fascinante, e apenas um personagem que as pessoas gostem caso isso funcione para o projeto, se sim, deixe que o público goste dele. Se não, não irei me preocupar com isso.
Existem atores que não querem interpretar personagens antipáticos, com medo de que isso poderá acabar com a sua credibilidade como astros ou afetá-los pessoalmente. Atores que estão mais preocupados em serem atores do que estrelas, como Viggo Mortensen, não se preocupam se são simpátivos ou que gostem dele nas telas.
Como Pattinson te surpreendeu?
Ele literalmente me surpreendia dia após dia, enquanto ele lia os diálogos e interagia com os outros atores. Nós estavamos jogando fatores diferentes em cima dele quase todos os dias, devido a estrutura do roteiro. Ele realmente tinha cenas bem extensas. Com um ator no final, Paul Giamatti, ele realmente se deixou levar, ele não se manteve agarrado em uma idéia pré-concebida daquilo que ele deveria estar fazendo. Ele reagia espontaneamente aos outros atores, enquanto eles o surpreendiam, ele o surpreendia de volta. Ele foi maravilhoso e totalmente não previsivel e preciso.
Fonte// Via // Via via e tradução : irmandaderobste

PAGINA DO IMDB DE ROBERT ATUALIZADA




Via Spunk Ransom- / pattinsonworld
Via via: amorrobsten

MAIS FOTOS DE ROBERT EM NYC DE DIA 14 DE AGOSTO




TRILHA SONORA DE AMANHECER 1 É DISCO DE OURO


Parabéns à equipa do Soundtrack de The Twilight Saga: Breaking Dawn Part 1 porque o album alcançou o disco de ouro!
Matthew Mugford, um supervisor musical, twitou esta imagem do disco de ouro de Amanhecer parte 1, a estrela da Saga Crepusculo, Nikki Reed, disse a brincr: “Você fez isso com meu disco de ouro de BD1!”
De acordo com os colaboradores da associação da industria de gravações e certificações da America., para que um álbum possa ser convertido em disco de ouro, deve alcançar 500.000 cópias vendida ou mais pelo que previsivelmente se trata do que a banda da trilha sonora de Amanhecer chegou!
Sem dúvida, o êxito da canção de Bruno Mars “It Will Rain” e a de Christina Perri “A Thousand Years”, tiveram um pouco a ver com a quantidade de vendas, mas todos e cada um dos músicos envolvidos contribuíram com este feito, portanto, parabéns a todos!
Foto via: @mattmug
Fonte|| Via|| Via | Via|| Via via: irmandaderobsten

NOVA ANTIGA ENTREVISTA DE KRISTE A ACCESS HOLLYWOOD



Source | Via | YT veronicaspuffy via robstendreams

NOVA ENTREVISTA DE ROBERT E CRONEMBERG PARA ET



Source | Via | Via via: RP LIFE

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...